Inglês a partir dos 60: bom, divertido e do seu jeito
25/11/2020

Entre uma aula e outra, recebo a ligação de um ex-colega de trabalho que virou amigo.
Falamos do ano louco que está sendo 2020, procuramos colocar o papo em dia e ele me diz
que seu pai estar curtindo a vida aos 82 anos; acorda cedo, anda na praia e, palavras do meu
amigo, “está com a agenda mais cheia do que a sua, de professora”. Entre suas várias aulas,
que englobam teatro, expressão corporal e outras coisas, ele está aprendendo inglês – e meu
amigo: “Era só o que faltava, aprender inglês com mais de 80…” “E por que não?”, retruquei.

Depois da infância, a terceira idade, melhor idade ou a idade do condor, seja com que nome se
dá à essa fase a partir dos 60 anos, é a melhor época para se aprender o idioma. Por que? Não
é necessário correr para conseguir aquela promoção, mas é suficientemente importante para
fazer bonito em uma próxima viagem de turismo. Enquanto a pandemia não nos deixa sair
muito agora, a hora é de estudar, se preparar. E a gente se diverte demais. Tem quem diga
que porque não conseguiu a vida inteira, não vai conseguir agora… Tem quem diga que eu
tenho um lugar garantido no céu por causa da paciência em voltar ao mesmo tema mais de
uma vez… Ah, tem é muita diversão, isso sim.

Tenho alguns alunos da terceira idade e cada um tem uma forma de lidar com o idioma. Dois
deles são respectivamente irmãos, meus cunhados e primos-irmãos – mas essa é história para
outro papo. Um deles, por exemplo, discute a morfologia das palavras em inglês e como é no
português e, nos intervalos de nossas aulas, enquanto se diverte com o aplicativo gratuito que
ensina jogando, escreve para os criadores do app reclamações porque sua tradução estava
correta e não era para ele receber gongada. Parte das aulas são para as discussões sobre seu
aprendizado e ele aumentou a quantidade de horas/aula porque quer, no mínimo, responder à
altura as malcriações dos catalães da Espanha, num próximo retorno a Barcelona e Madrid, no
meio tempo, quer ser o número 1 do aplicativo e, principalmente, quer estar à frente do irmão
mais velho e poder ser mais cavalheiro nas viagens com minha irmã. O outro irmão, que foi
alfabetizado em inglês e jura não se lembrar mais de nada, faz redações sobre as viagens de
moto que faz com sua turma com uma clareza e um inglês quase perfeito.

Aprender inglês na terceira idade é como fazer ginástica para se manter bem ativo. Só que a
ginástica é para o cérebro. Está provado, cientificamente. Você duvida? Então, me aciona e eu
te provo! Com diversão e arte!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *